CAMPANHA DE RESTAURAÇÃO DA SEDE DO IPCN!

CAMPANHA DE RESTAURAÇÃO DA SEDE DO IPCN!
VOCÊ TAMBÉM PODE PARTICIPAR! Comunique sua doação pelo e-mail: ipcn_ipcn@yahoo.com.br - Clique na imagem acima e VISITE O BLOG DA RECUPERAÇÃO DO IPCN.

domingo, 18 de abril de 2010

INSTITUTO DE PESQUISA E MEMÓRIA PRETOS NOVOS – MUSEU MEMORIAL IPN

Adere a luta contra a revogação da lei LEI Nº 2471, DE 06 DE DEZEMBRO DE 1995.

DISPÕE SOBRE A PRESERVAÇÃO E O TOMBAMENTO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE ORIGEM AFRICANA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.




Essa lei é importante para o resguardo da memória da história e cultura afro brasileira que tanto lutamos.

O IPN luta para manter a história dos Pretos Novos que é a história de um milhão de africanos que desembarcados no Valongo.

Um pouco da nossa história
A sede do IPN está sobre o solo de um sitio arqueológico o antigo Cemitério dos Pretos Novos. O IPN é um Memorial, onde resguarda e preserva a memória do Mercado de Escravos do Rio de Janeiro nos séculos XVIII e XIX e que essa memória foi quase perdida se não fosse por obra do acaso. O achado que se deu em 1996 quando o casal Petrucio e Merced ao reformar a sua residência, foi achado os restos mortais de mais de 6 mil cativos que seriam comercializados no mercado de almas do Valongo, onde podemos dizer... "Os que escaparam da escravidão para sempre.”

Há 14 anos estamos lutando para manter essa história viva, resguardando essa memória que é um patrimônio histórico incomum, o Cemitério dos Pretos Novos é até então o único nas Américas.

O Mercado de Escravos
O Rio de Janeiro foi o mercado de escravos mais especializado nos séculos xviii e xix.
Por este motivo foi organizado no porto do Rio de Janeiro o maior Mercado de escravos do Brasil, e escusado dizer que nem todos os negros que desembarcaram neste entreposto seguiram para as minas ou para as fazendas, pois grande número deles permanecera no Rio de Janeiro nos lares servindo como servos ou fazendo serviços de estivas e de transporte local nos armazéns de comércio e até em pequenas oficinas de arte, neste período desenvolveu-se entre as pessoas mais abastadas, o costume de comprar negros para pô-los de aluguel nas fabricas ou em obras publica.

As levas de negros desembarcados no Rio de Janeiro permaneciam nos galpões de refresco no bairro do Valongo por um curto prazo de tempo, para logo a seguir iniciarem as grandes caminhadas através da Serra dos Órgãos para as ricas minas de ouro em Minas Gerais e da Bahia seguiam através da chapada Diamantina e pela estrada das gerais para atingirem o Tijuco.

No Rio de Janeiro, Valongo foi desembarcado quase 1 milhão de cativos. (Karash 2000).
O IPN tem como Missão

Pesquisar, estudar, investigar e preservar a memória da história e a cultura africana e afro-brasileira, cuja conservação e proteção sejam de interesse Público com ênfase aos Sitio Históricos, aos Cemitérios Negros e a História da Cidade do Rio de Janeiro, sobretudo com a finalidade de valorizar a nossa Identidade em Diáspora.

Objetivos
Propor reflexões, executar projetos educacionais, realizar, fomentar e apoiar pesquisas acadêmicas que contribuam com a historiografia, a arqueologia e com qualquer outra questão ligadas a escravidão, assim como os seus desdobramentos, nos dias atuais.

Ponto de Cultura

O Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos - IPN, Museu Memorial, é hoje um dos mais novos Pontos de Cultura do Rio de Janeiro com o projeto Memorial Pretos Novos “RESGATAR A MEMÓRIA DE UM POVO É PRESERVAR A CULTURA DE UM PÁIS”. O Ponto de Cultura Pretos Novos em seu projeto oferece a alunos e professores Oficinas de História, visando a difusão e a preservação da memória de nossa história.

E assim... O Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos - IPN, Museu Memorial, é hoje um dos mais novos Pontos de Cultura do Rio de Janeiro com o projeto Memorial Pretos Novos “RESGATAR A MEMÓRIA DE UM POVO É PRESERVAR A CULTURA DE UM PÁIS”

O Ponto de Cultura Pretos Novos em seu projeto oferece a alunos e professores Oficinas de História, visando a difusão e a preservação da memória de nossa história.

No Ponto de Cultura Pretos Novos, além das atribuições que lhe conferem, possui um Espaço Cultural em sua sede para exposições de Artes Plásticas de temática africana e afro-brasileira. O espaço cultural é também utilizado para manifestações culturais de raízes como samba, danças, entre outros em datas temáticas.

Podemos dizer que a Galeria de Artes Pretos Novos é a primeira galeria de artes afro-brasileira e a única que está sobre o solo de um sitio arqueológico na Zona Portuária do Rio de Janeiro. A Galeria de Artes Pretos Novos mantêm exposição permanente com obras de diversos artistas de várias técnicas.

O IPN Museu Memorial mantém a exposição permanente e itinerante do achado do antigo Cemitério dos Pretos Novos cemitério este, destinados aos cativos africanos que seriam comercializados no Mercado de Escravos que funcionava no Valongo (atual Bairro da Saúde/Gamboa, Zona Portuária do Rio de Janeiro, nos séculos XVIII e XIX.

A exposição oferece aos visitantes uma viagem no tempo e um conhecimento incomum, pois essa história estava esquecida por quase duzentos anos.

Além da exposição o Museu Memorial IPN exibe o documentário Tributo aos Pretos Novos, de duração de 30 minutos, que narra a historia do mercado de escravos do Rio de Janeiro e o achado histórico e arqueológico.

A exposição itinerante caminha em vários lugares, como escolas, feiras, Praça Onze, busto do Zumbi entre outros.

Núcleo de Pesquisas IPN

O núcleo de Pesquisa do IPN é composto por pesquisadores que se preocupam com o Patrimônio Material e Imaterial, são pesquisadores com interesse na memória e a história afro brasileira, com pesquisas do Mercado de Escravos, A História dos Pretos Novos, Arqueologia e a História da Zona Portuária.

Núcleo de Cultura IPN
O núcleo é responsável pelos projetos e eventos ligados a arte e a cultura têm com o intuito de promover atividades culturais, com ênfase na produção da cultura afro-brasileira.

Senhores muito obrigado pela atenção e esperançosos por Vs. ajuda.

Diretoria do IPN
Contatos
2516-7089 / 7835-4438

CARTA DENUNCIA
As entidades abaixo vêm a público denunciar a tramitação de Projeto de Lei nº 2609/2009 proposto pela Comissão Especial instituída pelo requerimento 105/2007:
ACQUILERJ – Associação de Comunidades Quilombolas do Estado do Rio de Janeiro
ARQPEDRA - Associação da Comunidade Remanescente do Quilombo Pedra do Sal
Ase Idasile Ode
CEN – Coletivo de Entidades Negras
CETRAB – Centro de Tradições Afro Brasileiras
CIDACAM – Centro de Documentação de Atividades Culturais e Artísticas da Mangueira
COBRA – Centro de Estudos e Cooperação Brasil Continente Africano e Diáspora
ECAD - Espaço Cultural Afro Dance
FÓRUM ESTADUAL DE MULHERES NEGRAS RJ
FORAM DE RELIGIOSIDADE DE MATRIZ AFRICANA DO RIO DE JANEIRO
FÓRUM UBIRATAN ÂNGELO DE SEGURANÇA CIDADÃ
INTIMA – Instituto Nacional dos Trabalhadores e Meio Ambiente
UNEGRO – União de Negos pela Igualdade
YALODE – Núcleo de Mulheres Negras
IPCN - Instituto de Pesquisa das Culturas Negras

Para maiores esclarecimentos clique nos links abaixo:
PROJETO DE LEI Nº 2609/2009

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PRESERVAÇÃO E O TOMBAMENTO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE ORIGEM AFRICANA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Material recebido do IPN via e-mail

4 comentários:

  1. A minha indignação é com a falta de respeito com a memória e a cultura afrobrasileira.

    Vejo que as sedes das nossas instituições caindo aos pedaços, por falta de uma política de concervação e ou de reforma, aliás, até mesmo predios públicos como o do Centro Cultural José Bonifácio.

    O IPCN necessita de reformas, o IPN o seus telhados estão desabando como os imóveis de instituições sérias.

    ficamos aqui passando o pires, a medingar.

    As vezes consequimos Emendas Parlamentares e não as recebemos devido a falta de documentos ou por que não interessa ajudar a instituição.

    Penso em jogar a toalha, estou cheia de ouvir bla bla bla.

    Uma coisa eu vejo... O movimentos necessita ser mais unido. deijar ve enchergar o seu proprio umbigo.O vento que venta lá ... Venta cá.

    Temos que lutar juntos ter uma só voz a exemplo de outros paises que os movimentos são mais ouvidos.

    Temos que deixar de ser currais eleitorais e parar de receber essa migalha, prometem prometem e quando chegam lá simplesmente batem nos nossos ombros dizendo - Vou ver o que posso fazer...

    O IPCN tem meu apreço e sempre juntos em nossas lutas porque Resgatar a Memória de um Povo é Preservar a Cultura de um País.

    Bjs a todos
    Merced Guimaraes

    ResponderExcluir
  2. Queria divulgar uma importante ferramenta de informação para os simpatizantes da cultura Afro no Brasil. O professor José Flavio Pessoa de Barros está postando uma serie de vídeos no youtube sobre o tema. Ele é um dos mais importantes pesquisadores sobre o tema e nos presenteia com todo o seu saber nesta serie de vídeos sobre a religiosidade Afra Brasileira.
    os links são:

    http://www.youtube.com/watch?v=yiZLVwYztTQ



    http://www.youtube.com/watch?v=jgFPHYRpg1c



    http://www.youtube.com/watch?v=MpNsxmjZ6CM

    ResponderExcluir
  3. estou deslumbrado com as novas descobertas que tenho feito por ser um aluno de historia e a descoberta da escravidão

    ResponderExcluir
  4. Cláudia Maria de Oliveira9 de março de 2011 13:21

    Gostaria de receber a programação do IPCN através de email ou orkut.
    Fiquei sabendo do IPCN através da Comunidade Morro da Conceição no Orkut.

    ResponderExcluir